Ensaio, novela, conto, romance?

18 05 2009

As intermitências da morte segue uma tradição da literatura de realismo fantástico inaugurada por Saramago em Ensaio sobre a cegueira. No livro, adaptado para o cinema em 2008 por Fernando Meirelles, o autor se vale do recurso do fantástico — uma inexplicável epidemia de cegueira branca — para tratar da condição humana, do que nos define, o que nos move. No título da obra, Saramago define que seu texto é um “ensaio”. Observe as definições deste gênero textual:

  1. Esboço literário ou científico.
  2. Título de uma obra que o autor não pretende haver tratado a fundo.
  3. Texto literário breve, de caráter menos formal, com estilo situado entre o poético e o didático, o qual expõe ideias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema. O ensaio defende um ponto de vista pessoal e subjetivo, dispensando documentos e provas de caráter científico. Apre­sentação de um assunto filosófico, científico, histórico ou de teoria literária, que se caracteriza pela visão de síntese e tratamento crítico.

A aproximação dos estilos, dos temas e dos enfoques dados a eles que se percebe em As intermitências da morte e Ensaio sobre a cegueira acendem uma forte polêmica sobre a classificação destas obras. Se Saramago escolhe designar uma delas como ensaio, isso faz dela (e consequentemente também da outra) um? A que gênero narrativo moderno pertence As intermitências da morte? Conto, novela ou romance?

Estas são as nossas primeira reflexões. Busquem definições dos três gêneros e confrontem as características de um ensaio às características da narração de As intermitências da morte. Que tipo de narração Saramago propôs em seu livro?

Anúncios

Ações

Information

120 responses

20 05 2009
Isabella Quaranta

A narrativa é típica de um Romance. Diferentemente de um ensaio, a narrativa de “As Intermitências da Morte” se apresenta longa, dividida em capítulos, contendo personagens variadas que estão espalhados em volta de uma história principal (a morte ter tirado férias) e outras histórias paralelas (como o caso do bebê e do senhor que atravessaram a fronteira do país para conseguirem morrer ou a discussão do primeiro ministro com membros da Igreja, etc.). Essas , são características típicas do gênero narrativo Romance.

20 05 2009
Isaac Torres

Sem mínima sobra de dúvida, tanto o livro Ensaio sobre a cegueira quanto As intermitências da morte são Romance. Isto acontece porque a Narrativa (conhecida como romance) pode apresentar as seguintes características:
* Pode não ser somente um fato real, mas apresentar uma ficção ( uma tal de uma cegueira branca e uma ilusória visão de que a Morte parou sua atividade e pode “perambular” o mundo e enviar cartas para dizer que o destino das pessoas é morrer daqui a uma mísera semana).
*Possui espaço, isto é, cenário (um país que não é revelado no qual as atividades da Morte foram cessadas temporariamente), personagem (a própria Morte), e ação. Considera-se que um texto, com pelo menos essas 3 características, é predominantemente narrativo.

Isaac Torres, 1 ano “E”

20 05 2009
Professora Bianca

Issac,

As características que você apontou conformam As intermitências da morte (e O Ensaio sobre a cegueira, assim como o Ensaio sobre a lucidez) como textos narrativos. Mas observe que narração não é o mesmo que romance. Um texto de gênero narrativo pode ser romance, mas também pode ser conto, novela e até crônica. Você conseguiu definir que, nesta perspectiva, não é ensaio, mas não que é romance.

25 05 2009
Augusto

De novo, cade os textos que eu tinha pedido pra postar. Vc os recusou?

25 05 2009
Professora Bianca

Augusto,

Confira sua caixa de emails. Você tem algumas instruções sobre suas postagens lá.

25 05 2009
Clara

Pode-se perceber que o livro “Intermitências da morte” é do gênero Romance. Essa conclusão foi tirada a partir de algumas características, que entre elas está a de que no Romance a história dá mais importância a um personagem só, girando em torno de um personagem único, que no caso de Intermitências da morte, seria a própria morte. Em Novela, acontece o contrário , existindo vários personagens com graus de importância parecidos. Pode-se notar que também não é Ensaio, porque nesse gênero, o texto literário é breve, curto, e em Intermitências da Morte o texto é grande, com enormes parágrafos.

Clara de Andrade, 1º ano E

25 05 2009
Professora Bianca

Clara,

No gênero narrativo novela (não confundir com a novela de televisão, que é um outro gênero, hoje um subtipo de gênero dramático – texto para ser representado) não existem muitos personagens com graus de importância parecido. Um requisito para a novela é uma ação mais concentrada do que a ação do romance, o que se reflete em sua quantidade de conflitos e de personages, e, claro, da importância que eles têm.
A diferenciação para o ensaio está bastante coerente.

26 05 2009
Augusto

Eu diria que o livro intermitencias da morte “As intermitências da morte” se relaciona com o 3° genero gênero (texto literário breve, de caráter menos formal, com estilo situado entre o poético e o didático, o qual expõe ideias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema. O ensaio defende um ponto de vista pessoal e subjetivo, dispensando documentos e provas de caráter científico. Apre­sentação de um assunto filosófico, científico, histórico ou de teoria literária, que se caracteriza pela visão de síntese e tratamento crítico)

Durante todo o decorrer do livro, saramago Saramago fala sobre a morte, em nenhum momento se desvia dela. Ele cria diversas situações em que a morte nao exista não existe e ainda cria criticas críticas, dando suas opiniões!

A narrativa de intermitencias da morte “As intermitências da morte” é um romance, pois ela enfatiza em um só personagem (que por acaso é o principal) ” A MORTE ”

Augusto Paniquar de Souto 1°D

27 05 2009
Isaac Torres

São livros românticos porque:
*São descrições mais ou menos longas (de no mínimo 50 páginas, desde a época do Romantismo até os dias de hoje);
*Expressam ações e sentimentos de personagens fictícios, numa transposição da vida para um plano artistíco artístico.
*Possuem enredo observado sob diferentes aspectos;
*Há conflito, o qual é caracterizado pelo clímax..

Isaac Torres, 1 ano “E”

28 05 2009
Irineu Pessôa

“As intermitências da morte” é tipicamente um gênero de modo texto de gênero narrativo. Podendo narrativo, o qual pode ser classificado em novela, conto, romance.

A narrativa apresentada por José Saramago não seria conto, pois segundo conceito, “o conto é uma narrativa breve e fictícia. A ação geralmente se concentra sobre um único tema.” “As intermitências da morte” não é uma breve narrativa e sim uma longa narrativa.

“As intermitências da morte” poderia ser (excluindo a classificação conto, pois ela não se enquadra em conto) romance ou novela. Mas o que faz com que ela se distingue distinga da novela, é que mesma é uma narração de duração intermediária. Podendo conter de 50 a 100 paginas. Justaposto a novela acompanha a trajetória de um único personagem. O que personagem, o que não acontece com a trama de “As intermitências da morte”.

Sabendo disso…

As intermitências da morte seria do gênero romance, pois:
• Um personagem pode surgir em meio a historia e desaparecer depois de ter cumprido sua função. Isso caracteriza uma narrativa tipicamente romântica.

• É uma narrativa longa, dividida em capítulos. Como é o caso do livro As intermitências da morte.

José Irineu 1º F

29 05 2009
Professora Bianca

Isaac,

Você cometeu um equívoco MUITO comum no seu último post. Um romance não é, necessariamente, um livro romântico. Um livro romântico, no estudo de literatura, é um livro pertencente ao movimento, o estilo de época chamado Romantismo, que imperou na Europa durante a primeira metade do século XIX e que aqui no Brasil vigorou de 1836 a 1881.
Das características elencadas por você, uma se refere especificamente ao romance romântico (o uso de longas descrições), mas creio que você se referia a narrativa longa, o que caracteriza o romance enquanto gênero, independente da época em que é produzido. Acredito que você queria se referir a narração porque é praticamente impossível um escritor sustentar uma descrição por no mínimo cinquenta páginas.
As demais características se referem à narrativa de ficção de uma maneira geral, e podem ser aplicadas tanto ao romance como ao conto e à novela. Todos são transposições da vida para o plano artístico, possuem enredo e conflito. O que muda um pouco é a forma como esses elementos são desenvolvidos. De maneira simplificada há quem diga que o enredo do conto é breve e direto, e que este possui apenas um conflito central; na novela, o enredo é mais longo, há mais personagens e abre-se o espaço para algumas pequenas tramas paralelas; no romancem muitas personagens e espaço para muitas tramas paralelas, com mais de um conflito. Já outros teóricos fazem outras distinções.

29 05 2009
Professora Bianca

Irineu,

Só um detalhe de uso de vocabulário, um alerta semelhante ao que eu fiz a Isaac: uma narrativa romântica é uma narrativa que pertence ao estilo de época Romantismo. Uma narrativa que é um romance é uma narrativa romanesca (eu prefiro o neologismo romancesca).

30 05 2009
Maria Isabella

A narrativa é um romance. As Intermitências da Morte é uma história bastante comprida, com vários personagens que estão englobados em uma só história, com o mesmo foco, de que as pessoas parou pararam de morrer, apenas em um local. Logo após houve conflitos, quando os soldados começou começaram a passar pela fronteira do país levando as pessoas para ser enterradas, feito o caso do velhinho e do neto. Saramago vai além de reflexões existenciais, fazendo uma dura crítica a à sociedade moderna (o país da obra é fictício) ao relatar as reações da Igreja, do Governo, do Clero, dos repórteres, dos filósofos, das funerárias, hospitais, seguradoras, das famílias com um moribundo em casa, da máphia, etc.

1 06 2009
Isaac Torres

My god!
Agora vai:
São típicos da narrativa “romancesca” porque:
*Apresentam longas descrições com vários capítulos;
*Vários personagens envolvidos na ideia principal (ou central) de José Saramago (a Morte ter tirado férias);
*Possuir “elos de ligação” da ideia principal do autor, ou seja, vários fatos que servem para complementar e argumentar a ideia.

Isaac Tôrres, 1 ano “E”

9 06 2009
priscilajales

O livro de Saramargo Saramago não pode ser considerado um ensaio por não ser um texto breve, não ser muito de utilidade didática, nem tão pouco poética, é muito formal, além de não ter provas cientificas já cientificas, já que é uma ficção. Apesar de ter todos esses contras que nos leva levam a ver que não é um ensaio , o livro expõe um ponto de vista sobre o tema.

O livro não pode ser considerada uma novela por características bastantes bastante simples que ele não possui e que é o que diferencia a novela do romance. O tempo, as ações no livro passam devagar, já na novela, como é comum vermos na televisão por televisão, por exemplo, o tempo “passa voando”, na novela o narrador é superficial, ou seja, ele só conta com detalhes o que é mais importante, deixando o resto sem muita explicação, já no livro ele passa muito tempo discutindo somente um determinado fato, na novela um fato passado é mais importante e vemos que saramargo Saramago fala de um fato no presente.

Então porque seria o romance?

Porque o gênero narra um fato imaginário, e vemos claramente que o fim da morte é um fato que muitos queriam (porém depois deste livro eu desisti, é melhor morrer mesmo 😦 ), porém apesar de nos depararmos com um fato imaginário ele representa aspectos da vida social do homem, que no caso seria a morte, os personagens (que em Saramargo Saramago não são nomeiados nomeados) e situações são complexos, a passagem do tempo é mais lenta como já vimos mais acima.

Priscila Jales 1º E (*)

(*) lembrando que eu era da D e mudei de turma 🙂

10 06 2009
lucasgcc

Na minha opinião o livro trata-se de um romance.
O gênero romance é marcado pela narrativa longa de uma história principal, no caso de “As intermitências da morte” é a morte ter tirado férias.
Caracteriza-se também pelas pequenas narrativas que acontecem ao mesmo tempo, como por exemplo, a discussão dos delegados com os filósofos ou da criação da máphia, estes são exemplos de narrativas que se envolvem a narração principal.

Lucas Cunha 1º A

13 06 2009
Felipe Moura Wanderley

Na minha opinião, “As intermitências da morte” pertence ao gênero Romance, pois apresenta várias histórias que se ligam numa história central e também contém personagens que tem apenas um pequeno momento no meio da história, mas depois desaparecem. A história também se divide em capítulos (mesmo que ele não os denomine).

Felipe Moura Wanderley – 1º ano D

18 06 2009
Professora Bianca

Maria Isabella,

Fique mais atenta à concordância verbal nas suas postagens!

18 06 2009
Professora Bianca

Priscila,

Você fez análises interessantíssimas, mas eu preciso fazer algumas observações/correções.

Tão comum quanto o entender que romance é uma coisa romântica, no sentido de amorosa, sentimental, ou de pertencente ao Romantismo é o equívoco do que é novela. Novela de televisão é uma coisa completamente distinta da novela gênero narrativo. A novela da televisão é uma modalidade moderna do gênero dramático, pois ela é feita para ser representada/assista e não lida. Na novela de televisão não temos um narrador, mas uma narração que acontece diante de nossos olhos pelo encadeamento das ações dos personagens numa sucessão de tempo.

Quanto à sua justificativa de porque a narrativa é um romance estar na conexão dela com o imaginário, eu preciso questionar com um exemplo. O Curioso Caso de Benjamin Button, filme que concorreu a vários Oscar este ano, é uma adaptação de um conto, que leva em frente justamente este fantástico, este imaginário, para discorrer sobre a vida humana. Então é possível identificar um romance apenas pela ficção, pela fantasia?

18 06 2009
Professora Bianca

Felipe Wanderley,

Uma novela também se divide em capítulos, não esqueça!

24 06 2009
valeriauchoa

Podemos perceber que “As Intermitências da Morte” não trata de um ensaio, pois não é uma narrativa breve. Já no romance uma personagem pode surgir no meio da história e desaparecer depois de cumprir a sua função, então já se pode ligar o livro a este gênero! Para percebermos se é ou não é novela, é mais complicado. A novela trata de ações individualizadas, por isso que também podemos descartá-la, pois a história trás traz um paralelo de várias ações em conjunto! E finalmente o conto pode-se pode ser desconsiderado, pois esse gênero costuma ser curto e na sua história trazer apenas um drama para dar apenas uma impressão ao leitor. Por tanto Portanto, podemos perceber que este livro trata-se de um romance!

Valéria Uchôa 1º “C”.

29 06 2009
leandroperrelli

A narrativa “As Intermitências da Morte” pertence ao gênero romance. Além de ser uma grande narrativa que se divide em capítulos, faz o uso de diversos personagens e narrativas paralelas para tratar do tema principal, algumas narritivas narrativas e personagens não são mais retomados, pois já cumpriram sua função, porém outros são retomados, sempre se relacionando com a ideia principal. Essas características cidadas pertecem ao gênero do romance, portanto “As Intermitências da Morte” é um romance.

Leandro Perrelli
1ª D

1 07 2009
Professora Bianca

Boa argumentação, Valéria.

Só não entendi exatamente uma coisa: o que você quer dizer com “para dar apenas uma impressão ao leitor”?

1 07 2009
valeriauchoa

Ah, me expressei errado! Bom, eu quis dizer que o leitor acompanha apenas a um drama no conto, o que não é o caso no livro de Saramago.

Valéria Uchôa 1″c”

9 07 2009
Professora Bianca

Valéria,

Obrigada por esclarecer! 🙂

10 07 2009
marianaleal

O livro “As Intermitências da Morte” expõe idéias ideias, críticas e reflexões, morais e filosóficas a partir de seu tema – a morte não existir mais – o que poderia caracterizá-lo como ensaio. Porém também é típico do ensaio ser curto e breve, o que não acontece na obra de Saramago, que alonga ao máximo os argumentos para melhor defender sua tese. Com base apenas nessa característica, já é possível eliminar também a hipótese de ser um conto (forma narrativa de menor extensão, bem precisa).

A obra apresenta diversas características de um romance: um paralelo de várias personagens, de como toda a sociedade de um país reage à falta da tão temida morte. Além disso, nela algumas personagens aparecem no meio da história e desaparecem após cumprir sua função na trama (como foi o caso do velho líder da aldeia que inicia o ato de ir ao outro lado da fronteira para ser levado pela morte). A ideia de que o livro é uma narrativa romanesca fica ainda mais forte quando se percebe que ele é longo e divide-se em capítulos. Não poderia ser uma novela por esta ser de média extensão, com uma economia de recursos narrativos – em “As Intermitências da Morte”, Saramago não poupa recursos narrativos para tornar ainda mais convincente suas idéias (um bom exemplo disso foi o uso da história da tigela de barro – pág 79). A obra, portanto, é um romance

MARIANA SANTOS LEAL DE ALBUQUERQUE 1º E

13 07 2009
Professora Bianca

Boa argumentação, Mariana!

Pessoas, uma coisa para refletirmos….

Quando estudamos gêneros literários, vimos que há textos em que os autores fazem questão de misturar características de vários gêneros diferentes (como em O drama de Angélica, lembram?).

Como o único motivo apontado até agora para não considerar As intermitências um ensaio é a extensão do texto, podemos dizer que ele é um romance com contornos de ensaio? Que acham?

20 07 2009
Daniel Campos

“As Intermitências da Morte” não se apresenta como uma narrativa breve e objetiva, logo não pode ser considerada um ensaio. O gênero que melhor representa esta obra é o Romance, pois ela apresenta-se como uma narrativa longa, com vários personagens envolvidos em meio a uma trama e é dividida em capítulos.

22 07 2009
Professora Bianca

Daniel Campos,

Seu comentário não acrescentou novas ideias. Infelizmente, não poderemos considerá-lo válido se ele não for reelaborado.

Que tal refletir sobre os últimos questionamentos levantados no tópico, sobre o hibridismo dos gêneros literários?

22 07 2009
gabrielacsantos

Como já foi dito,o livro “As intermitências da morte” é um romance, pois é dividida em capítulos, é uma narrativa grande e possui personagens que aparacem cumprem suas funções e depois desaparecem. Mas podemos dizer que ele possui contornos de ensaio também, porque mesmo sendo extenso, nele Saramago coloca suas opniões opiniões e ideias sobre a morte e sobre como as pessoas reagem com a ela e com à sua ausência.

Por essa razão, se Saramago escolhe colocar “As intermitências da morte” como um ensaio, ele vai estar querendo mostrar que mesmo essa narrativa apresentando característas de um romance, ela pode ser considerada um ensaio, pois o principal que ele quer mostrar é a ideia que ele tem sobre a morte e sobre como as pessoas encaram a morte e as característas de romance que ela tem são só para reforçar e “dar exemplos” sobre essas ideias.

Gabriela Santos 1º B

23 07 2009
Rebeca Fernandes

O tipo de narração que Saramago utilizou em Intermitências da Morte foi o Romance, pois de acordo com a minha pesquisa, o romance é uma história de grande extensão com grande número de personagens, e que geralmente tem um personagem principal, que no caso das Intermitências é a morte. Há grande preocupação com a psicologia das personagens, o que é constantemente percebido no livro. No romance um personagem pode surgir no meio da história e desaparecer depois de cumprir sua função (como é no caso do bebê e do senhor que atravessaram a fronteira do país para conseguirem morrer).

Rebeca Fernandes – 1° A

23 07 2009
luizhenriqueramos

O livro trata-se de um Romance. Visto romance, visto a longa história que se é desenrolada enquanto a leitura é feita apresenta diversas características as quais poderiam indicar-lhe como tal gênero literário:

– A presença dos personagens com suas características pessoais ligados a personagens (com suas características pessoais) ligados à trama.
– A trama que traz as consequências, ou seja, um fator que enreda a história de maneira que tudo o que acontecer estará ligado a tal trama (conflito central).

Assim, descartamos a possibilidade de que seja um ensaio (breve), pois que tal narrativa descreve-se como longa. E não podemos julgá-la de novela porque na novela existe uma certa individualidade das ações,ou melhor dizendo, preocupa-se apenas com um personagem (principal) e suas ações, já no livro, percebe-se que não há uma individualidade de ações, e sim um retrato em conjunto de toda a população sobre a trama apresentada: as férias da morte com histórias paralelas ao conflito central (a passegem para o outro lado da fronteira para morrer), mas tudo ligado ao conflito.

27 07 2009
pwbs

As intermitências da morte na minha opinião é um romance pois romance, pois ao longo do livro encontramos várias histórias com novos personagens e as às vezes sem apresentar personagens que haviam sendo sido citados anteriormente, todas essas histórias estão ligadas a uma só deixando claro que As intermitências da morte é um romance.

Pedro Paulo Wanderley 1 F

27 07 2009
Professora Bianca

Rebeca Fernandes,

Como o livro apresenta uma grande preocupação com a psicologia dos personagens se, como temos discutido no tópico A (falta) de identidade dos personagens, estes personagens nem nome possuem?

Quando se afirma que um autor tem grande preocupação com a psicologia dos personagens, declara-se que sua obra intenciona caracterizar estes personagens como indivíduos únicos, complexos, com seus defeitos, suas qualidades, seus medos, suas ousadias, sonhos, desesperanças, enfim: aquilo que nos torna únicos perante o mundo.

Em que instância da narrativa você percebeu essa preocupação?

27 07 2009
Professora Bianca

Luiz,

Como eu levantei antes (e Gabriela inclusive dedicou-se sobre este ponto): será que a extensão é um critério suficiente para a definição do gênero? Vejamos o que tem acontecido com o haikai: obrigatoriamente ele tem que ter 17 sílabas, mas, no início, era obrigatório também que as 17 sílabas fossem distribuídas em três versos, no esquema 5-7-5. Hoje há correntes que flexibilizam a quantidade de versos e de sílabas em cada verso, desde que, claro, se obedeçam as 17.

A teoria dos gêneros literários, em muitas épocas, preconizava que a separação deles era uma forma de pureza da arte e que o bom autor não misturava nunca os gêneros, nem mesmo suas subdivisões (a comédia com a tragédia, no caso do drama, por exemplo). Mas em outras épocas a hibridização, a mistura dos gêneros, foi muito defendida.

Daí que eu pergunto de novo: somente por causa da extensão os elementos do ensaio são completamente apagados em As intermitências da morte?

27 07 2009
Professora Bianca

Pedro Paulo,

Você precisa investir na argumentação do seu post. O seu comentário não trouxe novos elementos à discussão.

27 07 2009
pwbs

Pesquisei os elementos que caracterizam um texto narrativo como ensaio, novela, conto e romance. Encontrei no site (http://www.infoescola.com/redacao/tipos-de-textos-narrativos/) todos esses elementos, e o que mais se encaixa com o livro de Saramago é romance pois romance, pois ao longo do livro encontramos várias histórias com novos personagens e às vezes sem apresentar personagens que haviam sido citados anteriormente, todas anteriormente. Todas essas histórias estão ligadas a uma só deixando claro que As intermitências da morte é um romance. No site citado acima encontrei a seguinte explicação: “em geral é um tipo de texto que possui um núcleo principal, mas não possui apenas um núcleo. Outras tramas vão se desenrolando ao longo do tempo em que a trama principal acontece. O Romance se subdivide em diversos outros tipos: Romance policial, Romance romântico, etc. É um texto longo, tanto na quantidade de acontecimentos narrados quanto no tempo em que se desenrola o enredo.”

Pedro Paulo 1F

28 07 2009
otavio neto 1 f

O texto de Saramago trata-se de um romance devido a algumas de suas características, que alem além de classificarem a obra dentro deste gênero literário, também diferenciam elatambém a diferenciam de obras de outros gêneros. Ela é uma obra bastante extensa o que não permite sua classificação dentro do gênero de ensaio. Além disso, não existe uma história, uma ação, ou uma personagem principal dentro da obra de Saramago o que Saramago, o que já a diferencia de uma novela. E também pode ser diferenciada de um conto, pois um conto também é representado por um texto pequeno. Desta forma, podemos identificar este texto como um romance.

Otavio neto 1 f

28 07 2009
henriquefreire

“No romance uma personagem pode surgir em meio a história e desaparecer depois de cumprir sua função.” – Wikipedia
Isso ocorre com quase todas as personagens que se envolveram num turbilhão de loucuras num país que não se morre, e lá por volta das páginas 120’s as personagens cumpriram suas funções e é a vez da morte (que inicia com minúscula) e da foice continuarem a história que agora vão se envolver numa história que realmente é um romance (de amor, paixão, e não o gênero em si). E pode-se dizer que além de ser romance em gênero por ser compatível com a definição da wikipedia, esse livro apresenta características de ensaio, pois apresenta assuntos de questões morais e fatos que não apresentam explicação científica sobre questões duvidosas como o fato de não haver morte.

A preocupação de relatar as pessoas sem seus respectivos nomes é motivo da necessidade de representar as classes (ou profissões) e não as pessoas em si, por motivos já percebidos de que as Intermitências da Morte se apresenta com um caráter voltado à psicologia.

Henrique Freire 1º D

28 07 2009
henriquefreire

Refletindo sobre o que já foi dito neste tópico:

Segundo Isaac Torres 20/05 : “a Morte parou sua atividade e pode “perambular” o mundo e enviar cartas para dizer que o destino das pessoas é morrer daqui a uma mísera semana”
-Calma aí, se você se apercebeu de que a morte que consta neste livro é como se fosse uma operária que trabalha dia e noite, noite e dia por toda a eternidade só trabalha apenas nesse país, e que como ela há outras dezenas de mortes que trabalham cada qual em seu território seja um país ou uma zona internacional como no meio do oceano ou nos pólos, você concluiria de que esta sua afirmação não passa de um ENORME equívoco.

Maria Isabella 30/05 : “quando os soldados começaram a passar pela fronteira do país levando as pessoas para ser enterradas,”
-Não é por nada não, mas quem levou as pessoas para serem mortas e enterradas fora da fronteira não eram os soldados, e sim a máphia ou qualquer outro que se atreva por si só a tentar atravessar seus entes queridos (ou não tanto) para passarem desta para melhor.

Priscila Jales 9/06 : “depois deste livro eu desisti, é melhor morrer mesmo.”
-É por contextos obscuros é que se tiram conclusões equivocadas, essa garota nunca soube que há outras histórias falando sobre imortalidade? Essa imortalidade fajuta que Saramago interpretou é altamente repugnante, mas em outras histórias pode-se saber daquelas imortalidades com saúde plena e sem a deterioração do corpo pela velhice ou outros meios.

-E também critico as pessoas que não entendem que a morte não tira férias, essa pausa nas mortes foi provavelmente uma ação para se sair da rotina e observar as pessoas que achavam um caos a existência da morte.

Henrique Freire 1º D

29 07 2009
Catarina Pinheiro - 1A

Bianca,
As intermitências da morte é romance. Romance pode ser uma descrição ou um enredo exagerado ou fantasioso como descreve o dicionário Aurélio da língua portuguesa e tem tudo haver a ver com o livro pois livro, pois o enredo enfatiza a morte e tudo é voltado para ela e ao mesmo tempo é uma ficção por não ser possível não morrer e também por outras coisas.
Já quando Saramago fala que o livro é um “ensaio” ele quer levar a pessoa a dentro do livro como se fosse um cidadão daquele pais país e vivenciando todas as partes do livro, assim, ele utiliza uma linguagem mais informal colocando varias várias ideias para que o leitor tire sua conclusão.

Catarina Pinheiro – 1A

29 07 2009
alexandreloureirofilho

O livro é um romance porque:
1- Existem vários personagens de histórias diferentes, mas todos interligados pelo fato principal(a morte ter deixado de trabalhar).
2-Um romance pode ser verdadeiro(baseado em fatos reais) ou pura ficção. No caso do livro de Saramago, ele é pura ficção(na minha opinião).
3-As personagens antagonistas surgem e desaparecem no decorrer dos acontecimentos (como é o caso da maphia e dos ministros).

Alexandre Loureiro 1B

29 07 2009
Tiago Moraes

Eu diria que é um romance, pois é algo que nao é possivel possível de existir, tudo não passa de uma fantasia na cabeça do autor. Algumas caracteristicas características podem ser essas:
– Todos os personagens, mesmo tendo as suas vidas particulares estão envolvidos num mesmo conflito, alguns ate até sem saber que estão
– Não são os mesmos personagens que estão presente durante toda a trama, eles vão aparecendo a a medida que à medida em que são necessarios necessários

1º ano “B”

29 07 2009
mateus00vieira

Considero que a obra de Saramago: “As intermitências da morte” como um romance. Navegando pela internet, vi que um romance apresenta um paralelo de várias ações, isto é constante na obra de Saramago, pois uma hora o livro fala do bispo, depois de uma família, um primeiro ministro e assim sucessivamente. No romance também os personagens não têm necessidade de se encontrarem, então eles fazem o que tem que fazer na estória e depois podem sair sem nenhum problema. Na novela, as ações são concatenadas, elas necessitam de uma ordem, muitas vezes há uma necessidade de que os personagens se encontrem, não por coincidência mas coincidência, mas para dar sentido, e também para concluir a trama. Por esses aspectos, não considero “As intermitências da morte” como uma novela. Em um conto, apenas existe uma célula dramática, no livro de Saramago ele generaliza todo mundo, todos são o alvo. Como também o conto pode se resumir por: uma ação, um lugar e um tempo, eu descarto o conto como uma opção de caracterizar a obra de Saramago.

Mateus Vieira-1º A

29 07 2009
danielsal

Na minha opinião, “As Intermitências da Morte” pode ser incluído na categoria novela, que é definida como “uma narração em prosa de menor extensão do que o romance”, sendo uma forma intermediária entre o conto e o romance. E é como novela que o livro é apresentado na capa da edição americana, apesar de que uma das edições portuguesas o coloca como romance. Ele não seria um ensaio, pois este é um texto literário breve, situado entre o poético e o didático, expondo idéias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema.

Daniel Lima 1ºC

29 07 2009
marcela albuquerque

“As intermitências da morte” não pode ser considerado um ensaio, por não ser um texto literário breve, ele é longo. Quanto ao gênero narrativo moderno que ele pertence moderno a que ele pertence, seria ao romance, não só pelo tamanho da obra, existem outros fatores a serem analisados. O conto é uma narrativa onde existe apenas um conflito, que acontece como um relâmpago na vida dos personagens, o passado ou futuro deles são irrelevantes no contexto, normalmente não existe mudança de tempo ou espaço. A novela possui uma sucessão de conflitos, de histórias, que podem ou não estar relacionadas entre si, e com os personagens principais. O livro de Saramago não se enquadra em nenhum desses dois gêneros, ele é um romance, pois existe existem conflitos ligados entre si, normalmente é mais extenso, apresenta mais personagens. O romance, tem romance tem um desfecho definitivo, é um ciclo fechado, não se pode colocar mais um episódio, como numa novela, e o interessante no livro é que esse ciclo nos traz uma pergunta, o fim dele é o começo ou o começo é o fim? Pois no início e no final, existe a mesma frase: “No dia seguinte ninguém morreu”.

29 07 2009
luizgeraldo10

A narrativa de ‘’As intermitências da Morte’’ pertence ao gênero romance, pois é uma narração de um fato imaginário, mas aceitável, que representa aspectos da vida familiar e social do homem. Comparado à novela, ao ensaio e ao conto, o romance apresenta personagens e situações mais tensas e complexas, com passagem mais lenta do tempo. Um romance, para ser caracterizado como tal, não necessita de uma história amorosa com final feliz ou triste. Ele pode ser de vários tipos, por exemplo: psicológico, policial, histórico, entre outros. Logo, a obra de Saramago caracteriza-se como um romance.

Luiz Geraldo – 1º D

29 07 2009
carolinambat

Na capa do livro há ensaio, mas o gênero não é esse. Ensaios são textos breves,curtos,que defendem um ponto pessoal e objetivo,com provas científicas e literárias. Em “intermitências” não há muito que comprove que ele seja um ensaio.
Apesar de Saramago colocar no título como ensaio, o livro é um romance. A trama envolta em um único personagem(a morte),as personagens envoltas na trama e até personagens ou fatos que podem surgir no meio da história e desaparecer antes do livro acabar são características de um livro de romance.
Ao meu ver, Saramago quis colocar ‘ensaio’ no título pois título, pois pra ele (ou para algum leitor) o livro pode ser um ensaio pois ensaio, pois há o ponto de vista pessoal dele e expõe críticas ao tema.

29 07 2009
Paula Fernanda

“Gosto muito do conceito de unidade dramática, ensinado pelo eminente doutor em literatura, Professor Vicente Ataíde, que denominamos de “Célula Dramática” e que passo a utilizar para uma boa compreensão do assunto. O Conto contém apenas um único drama, um só conflito. Esse drama único pode ser chamado de “célula dramática”. Uma célula dramática contém uma só ação, uma só história. Um conto é um relâmpago na vida dos personagens. Não importa muito seu passado, nem seu futuro, pois isso é irrelevante para o contexto do drama, objeto do conto. O espaço da ação é restrito. A ação não muda de lugar e quando eventualmente muda, perde dramaticidade. O objetivo do conto é proporcionar uma impressão única no leitor. […] entendido esse conceito de Célula Dramática, podemos mais facilmente compreender o que é uma novela. Uma novela nada mais é que uma sucessão de Células Dramáticas, como se fossem arrumadas em uma linha reta infinita. Face a essa estrutura é sempre possível, acrescentar mais uma Célula Dramática, mesmo depois de terminada a novela.
Com esse conceito de “arrumação”, podemos compreender a diferença entre uma novela e um romance. Essa diferença está na forma como as células estão dispostas. Num romance, elas estão concatenadas, formando um círculo. Uma estrutura fechada. Uma sucessão lógica com um encerramento definitivo. Seria impossível acrescentar mais uma Célula Dramática, depois de terminado um romance.”

Fonte: http://www.protexto.com.br/texto.php?cod_texto=7

Diante dessas definições de conto, novela e romance, e da definição de ensaio que foi dada no começo do tópico, fica claro não é o tamanho de define o gênero de determinado texto, mas sim o seu foco. No conto, o foco está no seu único conflito existente. As intermitências da Morte não pode ser considerada um conto justamente por isso, por possuir mais de um conflito. A novela é algo contínuo, que não tem um fim definitivo, podendo sempre ter algo a mais acrescentado e tendo seus conflitos em torno de vários personagens. Já o romance, tem seus conflitos em torno de um único ser, que no caso de As Intermitências da Morte seria a própria morte, personagem principal. Eu acredito que os elementos do ensaio não foram totalmente apagados no livro, pois como diz um trecho de uma das definições apresentadas acima: “O ensaio defende um ponto de vista pessoal e subjetivo, dispensando documentos e provas de caráter científico. Apre­sentação de um assunto filosófico, científico, histórico ou de teoria literária, que se caracteriza pela visão de síntese e tratamento crítico.” Em As Intermitências da Morte, José Saramago defende um ponto de vista pessoal ao criticar às ações humanas quando se trata da morte.

30 07 2009
taisst

O livro “Intermitências da morte” é do gênero Romance, pois possui características desse gênero como por exemplo: narração de um fato imaginário que representa aspecto da vida familiar e social do homem, é dividida e capítulos e possui bastante personagens .
O livro não é um conto porque não é breve , simples e centrada em um episódio da vida.
Tais 1A

30 07 2009
victoriarruda

Dado os tipos de narração que poderíamos classificar o livro de Saramago, digo que “Intermitências da Morte” é um romance, pois:
A narrativa é longa e está dividida em capítulos. Também porque contêm contém histórias e personagens paralelos ao enredo principal, contém também um personagem dado com principal (nesse caso a morte)… Basicamente o tipo da narrativa já demonstra ser um romance.

Victoria Arruda – 1ºA

30 07 2009
liviacaldas

Intermitências da morte pertence ao gênero romance, pois possui uma descrição longa dos fatos (o desaparecimento da morte), contêm contém diversos personagens que interagem entre uma ideia central, como também possui sentimentos de personagens fictícios ( como é o caso do sentimento da morte pelo o violancelista). Sendo então uma violoncelista), sendos entãos uma narração de um fato imaginário. Mas por possuir possui também características de um ensaio, por exemplo: expor ideias, criticas e reflexões a respeito de um tema (a morte), havendo uma só divergência que é a extensão do texto por ser breve, pode ser muito bem considerado um romance com contornos de ensaio.

Lívia Caldas 1º C

30 07 2009
danielbelian

Não é obrigatório, por ”Ensaio sobre a Cegueira” ser um ensaio, que “As Intermitências da Morte” também deve ser um ensaio. Este último, caracteriza-se, devido às definições de estudiosos, como um romance, por haverem haver nele ações simultâneas, como é o caso do violoncelista e do primeiro-ministro e também pelos personagens estarem direcionados ao tema principal (conflito) por todas as ações se direcionarem para ele.
No romance, uma personagem pode aparecer no meio da história, e logo após cumprida a sua função, ela pode simplesmente desaparecer, assim como não é obrigatório um clímax ao fim de cada relato.

30 07 2009
luizhenriqueramos

É … revendo meu comentário :

O livro trata-se de um Romance. Visto romance, visto romance, visto a longa história que se é desenrolada enquanto a leitura é feita apresenta feita. A obra apresenta diversas características as quais poderiam indicar-lhe como tal gênero literário como pertencente a tal gênero literário:

– A presença dos personagens (com suas características pessoais) ligados à trama.
– A trama que traz as consequências, ou seja, um fator que enreda a história de maneira que tudo o que acontecer estará ligado a tal trama (conflito central).
– É dividida em capítulos.

Apesar de apresentar tantas características de um romance, NÃO descartamos a possibilidade de que seja um ensaio pois que ensaio, posto que em sua obra Saramago apresenta críticas, ideias e reflexões, característias típicas de um ensaio, que se desenrolam ao longo da trama. Mas não podemos julgá-la (a obra) de como novela, visto que na novela existe uma certa individualidade das ações, ou melhor dizendo, preocupa-se apenas com um personagem (principal) e suas ações, já no livro, percebe-se que não há uma individualidade de ações, e sim um retrato em conjunto de toda a população sobre a trama apresentada: as férias da morte com histórias paralelas ao conflito central (a passegem para o outro lado da fronteira para morrer), mas tudo ligado ao conflito.

O que pude concluir, junto com a sua ajuda, foi que o autor se utilizou de uma hibridação de gêneros em parte ensaio e em parte romance. O resultado foi um livro fantástico que deu gosto de ler. 😀

30 07 2009
priscilajales

Retomando….

“O Curioso Caso de Benjamin Button, filme que concorreu a vários Oscar este ano, é uma adaptação de um conto, que leva em frente justamente este fantástico, este imaginário, para discorrer sobre a vida humana. Então é possível identificar um romance apenas pela ficção, pela fantasia?”

O filme mencionado é uma ficção que nos leva a questionar, refletir sobre como seria se estivessemos na pele de Benjamin. Bianca eu achei na internet que o filme foi baseado em um romance: “Assim começa O Curioso Caso de Benjamin Button, adaptação do romance de 1920 de F. Scott Fitzgerald sobre um homem que nasce com oitenta e poucos anos e rejuvenesce a cada dia que passa. ” http://www.cinepop.com.br/filmes/curiosocasodebenjamin.htm

Mas o romance não pode ser visto, identificado somente a fantasia, pois tem existem muitos filmes de ficção que não são romances, como o terror, porém é muito difícil achar um romance real, com provas que ocorreu,um exemplo, entre poucos ao meu ver, é o filme Titanic que, apesar de readaptado, é baseado em fatos reais.

Priscila Jales 1º E

30 07 2009
alineholanda

A narrativa do livro “As intermitências da morte” é um romance. Podemos afirmar isso devido as às suas características, tais como: vários personagens e acontecimentos ligados a um tema central (no caso da obra, vários personagens como: o primeiro ministro, a morte, o violoncelista, que são interligados pelo tema central, que é a greve da morte) pode ser verossímil, ou totalmente fictício, (o livro se enquadra no totalmente fictício), possui um enredo complexo, é uma narrativa longa (diferentemente do ensaio). Porém, também apresenta certas características de um ensaio, como: expor idéias, críticas e reflexões morais e filosóficas, defender um ponto de vista pessoal. Não poderia ser um conto, pois uma das características desse gênero é ser de pequena extensão, um texto breve. Também não poderíamos classificá-lo como uma novela, pois numa novela encontramos certas características que não estão incluídas na obra vista. Tais características vista, tais como: enredo não traz complexidade, sucessão de conflitos vistos superficialmente, etc.

30 07 2009
Larissa Ponce de Leon

“O Romance é um gênero narrativo voltado para a vida coletiva do homem.
As características do romance são a pluralidade:
– Da ação
– Do tempo
– Do espaço
– Dos personagens ”

O livro As intermitências da morte apresentam claramente características do gênero literário o Romance. E como ele não trata do assunto brevemente, não poderia ser um ensaio.

30 07 2009
danilonobrega

“As Intermitências da Morte” possui várias características que levam a crer que se trata de um romance como por exemplo: é uma grande narrativa dividida em capítulos, utiliza vários personagens e narrativas ao mesmo tempo para lidar com o tema principal, muitos personagens e narrativas, após cumprirem suas respectivas funções, não retomam mais o contexto da narrativa.Todas essas características remetem ao gênero Romance.

1°F

30 07 2009
Melyna Cavalcanti

Sem dúvidas o livro trata-se de um Romance.
Diferente de um ensaio ou do conto ou da novela, o gênero romance é marcado pela narrativa longa, contendo personagens e os acontecimentos que podem ser vários, interligados ao conflito central, além de ter acontecimentos paralelos que acontecem ao mesmo tempo, ao longo da obra.
Estas são características do gênero Romance.

1º A

30 07 2009
eduardo110

Podemos classificar como: primeito é uma história longa o que mostra logo que é uma narrativa e que é romace porque a história se desenvolve na maioria das vezes ao redor de um só personagem que no caso é a morte.

Eduardo Arcoverde – 1º F

30 07 2009
isabelabispo

O livro ” As Intermitência da morte” pode ser classificado como um romance. Isto pode ser confirmado pelo fato de que no livro, várias ações ocorrem de forma paralela. Ex: a reação das funerárias e dos hospitais ao desaparecimento repentino da morte. Também é considerável o fato de o texto ser estruturado em capítulos e um deteminado personagem que apareer aparece no meio da estória desaparecer após realizar sua função. Ex: As pessoas que atravessarama fronteira a fim de encontrar a “paz eterna”(morte). O romance também se caracteriza pelo final ser um enfraquecimento de uma combinação e ligação de elementos heterogêneos em vez de isto ocorrer no clímax. Ex: Sendo a morte e a vida elementos opostos (assim obviamente também diferentes) quando ocorre sua ligação, por meio da morte personificada e do violinista violoncelista, a morte começa a ter problemas em realizar seu trabalho e ao final do livro para mais uma vez as mortes na cidade. Desta vez pelo enfraquecimento causado pelo amor, que a incapacitou de concluir seu dever.

Podemos descartar a possibilidade de rotulá-lo como conto pelo fato de não ser uma narrativa de pequena extensão já que possui claramente mais de 20000 palavras. Também não se encaixa nos prerrequisitos para ser uma novela por não seguir durante todo seu enredo a trajetória de um único personagem e uma só trama. No livro, há diversas tramas e não há um único personagem que guie a estória e sim um grupo de pessoas.

Por último em Por último, em relação a classificar ” As intermitências da more” como um ensaio percebemos ensaio, percebemos que embora que, embora Saramago exponha ideias, reflexões e críticas filosóficas em relação ao tema (a existência da morte), o livro não é breve e o autor explora e se aprofunda mais no tema, o que é comum se fazer em ensaios. Como em uma peça, os atores treinam no ensaio e na apresentação tentam fazer o que já faziam no ensaio, mas de modo mais empenhado e tentando dar o máximo de sí e até ir além disso. O ensaio seria o próprio ensaio e a apresentação, o romance (onde se encaixa a obra de José Saramago).

Isabela Bispo 1″C”

30 07 2009
ileanajustiniano

Bem, creio que o livros “Ensaio sobre a cegueira” e “As intermitências da morte” são narrativas e seu tipo é um romance. Acredito que sejam narrativas primeiramente pelos livros serem divididos em capítulos e haver a presença de um narrador em 3º pessoa, além disso, o enredo da narração segue basicamente esta estrutura:
– Apresentação;
– Complicação ou desenvolvimento; ( no caso da “Intermitências da morte” foi o caso das pessoas pararem de morrer)
– Clímax; ( quando o país todo entrou em um caos)
– Desfecho.
Justamente a estrutura das “Intermitências da morte”. Além disso, uma narração tem como foco contar uma história fictícia ou baseada em fatos reais ou mesclando ambos. Por fim, nos livros há personagens, ação dos personagens um ambiente onde acontece a história e um e um enredo, logo tendo pelo menos três dessas características um texto já pode ser considerado narrativo. Quanto ao tipo de narração das “Intermitências da morte” é um romance, pois sua história é longa, narrada em 3º pessoa, seu enredo é mais bem desenvolvido que o de uma novela. Além disso, há muitos personagens e acontecimentos e todos interligados ao conflito central (neste caso seria o fim da morte das pessoas). Estas são características de um típico texto de romance.
Ileana 1B

31 07 2009
stycklu

A obra as Intermitências da Morte é um romance pois apresenta personagens que se ligam através do tema central .
Os personagens aparecem e desaparecem de acordo com os acontecimentos .
E é composta por tempo , personagens , foco narrativo e é de natureza filosófica .

31 07 2009
marinapedrosa

O livro “As intermitências da morte” poderia ser classificado como um ensaio. Segunda a descrição do gênero, um ensaio é um tipo de texto conceitual, que possui certas reflexões científicas, filosóficas, morais e crítica a cerca de um determinado tema. Quanto a isto o livro se enquadra muito bem! É também subjetivo e empírico, ou seja, não é baseado em nenhuma prova científica. À A grosso modo, seria isto.

O problema que está sendo levantado seria a questão do tamanho, pois um ensaio se caracteriza como sendo breve, e a trama esta está bem longe disto :P. Porém se fôssemos olhar por conformidades de tamanho, Saramago já teria sido barrado, com seus períodos e parágrafos anômalos xD. Bem algo mais me chamou atenção para descartar o ensaio (mas não totalmente):

Os ensaios informais, não tão metódicos e mais cheios de fantasia, surgiram com o objetivo de ser uma leitura rápida, de fácil, compreensão que poderia ser discutido facilmente no dia-a-dia, quanto a dia-a-dia. Quanto à questão rápida e fácil, eu particularmente não classificaria “As intermitências da morte” :D. Porém não podemos descartar a parte da discussão é bastante importante. Para que cutucar o leitor, se Saramago não quisesse que as pessoas discutissem mais estes assuntos?

Outra coisa bem plausível seria a hibridização dos gêneros (ensaio + romance). Como já foi bem discutido o livro possui muitas características de romance: uma narrativa complexa, organizada em capítulos, possui uma trama central, e interligadas a ela temos uma rede de tramas paralelas que acontecem ao mesmo tempo. É também regada de personagens, e outro fato importante é a ponte entre a realidade e o mundo ficcional, não presente na novela.

A aproximação da trama do romance com o cotidiano acaba-o deixando mais lento, por isso dele ser normalmente mais extenso do que a novela (descartamos aí a novela). Bem não sei se trouxe argumentos suficientes, nem se fui convincente, qualquer coisa é só falar!

Marina Pedrosa 1 A

31 07 2009
biaamenezes

“As intermitências da morte” e “Ensaio sobre a cegueira”, cegueira” não podem ser contos, pois o conto: “é a mais breve e simples narrativa centrada em um episódio da vida. O crítico Alfredo Bosi, em seu livro O conto brasileiro contemporâneo, afirma que o caráter múltiplo do conto “já desnorteou mais de um teórico da literatura ansioso por encaixar a forma conto no interior de um quadro fixo de gêneros. Na verdade, se comparada à novela e ao romance, a narrativa curta condensa e potencia no seu espaço todas as possibilidades da ficção” . Fonte: (http://www.regina.celia.nom.br/lit.1generos.literarios.htm).

Com essa definição, chegamos a à conclusão de que os dois livros citados são são narrativas românticas, pois, a pois a narrativa romântica é:

– A narração de um fato imaginário, mas verossímil, que representa quaisquer aspectos da vida familiar e social do homem. Comparado à novela, o romance apresenta um corte mais amplo da vida, com personagens e situações mais densas e complexas, com passagem mais lenta do tempo.
( Fonte: http://www.regina.celia.nom.br/lit.1generos.literarios.htm)

Percebemos, então, que as características de “As intermitências da morte” e “Ensaio sobre a cegueira” se encaixam perfeitamente na definição do gênero narrativo romântico romance apresentada.

31 07 2009
Professora Bianca

Pedro Paulo e pessoas em geral,

Se o romance se divide em outros tipos, então é possível haver uma subcategoria, a de romance ensaístico?

31 07 2009
Rodrigo Barros

Pela pesquisa que fiz, pude constatar que:

As intermitências da morte:
-Não pode ser ensaio, pois o livro se aprofunda nesse tema.
-Não pode ser um conto, pois o livro é uma narrativa longa.
-Não pode ser novela, pois nela pode haver personagens sem ligação com o tema principal.

As intermitências da morte possui:
-Grande extensão.
-Os personagens devem estar ligados ao conflito principal.
-Narrado em terceira pessoa.

Com todos esses fatos coletados, podemos concluir que “As intermitências da morte” é uma Narração Romancista.

Rodrigo Barros 1º C

31 07 2009
josecarlosmello

Pelo o fato de não conter personagens, o livro generaliza suas idéias, a ideias a um sentimento que a morte sentiu, na do qual resultou resultaram todos os conflitos debatidos no livro, com livro. Com isso pode dizer que o livro tem como gênero o romance.

31 07 2009
Gabriela Calabria Lima de Sousa

As intermitências da morte, eu acredito, pertence ao gênero narrativo Romance. Cheguei a essa conclusão depois de buscar por definições dos três gêneros, aos quais vou transpor alguns fragmentos:

ROMANCE – “Descrição longa das ações e sentimentos de personagens fictícios, numa transposição da vida para um plano artístico”
NOVELA – “Diálogos breves; A novela diferencia-se do romance não pelo número de páginas, mas pela técnica de composição. A novela nada mais é do que a condensação dos elementos que formam o romance. O enredo não traz complexidade.”
CONTO – “Poucos personagens intervém na narrativa; a narrativa é objetiva: por vezes, a descrição não aparece. Espaço de tempo curto; cenários limitados, espaço restrito. ”

Depois de analisar definições dos 4 gêneros, cheguei a conclusão de que a obra se encaixa no gênero romance, pois os outros três definem-se mais como textos mais curtos, ou menos aprofundados, enquanto as Intermitências da Morte, é um livro razoavelmente longo, aprofundado e com uma história trabalhada.

Gabriela Calabria Lima de Sousa 1º B

31 07 2009
brunomda

“As intermitências da morte” apresenta alguns pontos que são essenciais para a obra ser caracterizada. Dentre eles podemos destacar:

– Apresenta uma trama principal que traz personagens que se envolvem nessa trama e além e, além disso, existem outras histórias ocorrendo em paralelo a trama principal.
– A trama se passa em um período longo ( já exclui a possibilidade de se classificar como Ensaio).
– Pode não ser somente verrossímil mas verrossímil, mas um fato real, e apresentar uma ficção.

Esses são algumas dos pontos que fazem com que a obra de Saramago seja classificada como romance.

Bruno Menezes de Albuquerque 1ºF

31 07 2009
Professora Bianca

Catarina,

Não é que Saramago afirme que o livro é um ensaio, mas sim que há quem perceba na obra fortes contornos de ensaio. E o que se entende por ensaio não é a relação do leitor com a obra, mas sim um caráter analítico e opinativo do texto a respeito de sua temática.

31 07 2009
Professora Bianca

Tiago Moraes,

Mas não será possível analisar e opinar (características do ensaio) sobre situações hipotéticas?

31 07 2009
osvaldohenriquec

O ensaio é um texto literário breve, situado entre o poético e o didático, que expõe idéias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema.
O romance, de acordo com o “Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa”, apresenta a seguinte definição: “Descrição longa das ações e sentimentos de personagens fictícios, numa transposição da vida para um plano artístico”. Conforme o próprio dicionário, o romance diferencia-se de outro gênero, a novela, como “narração usualmente curta, ordenada e completa de fatos humanos fictícios, mais verdadeiros.
O conto caracteriza-se por uma narrativa curta, um texto em prosa que traduz seu recado em um reduzido número de páginas.
Percebe-se, de acordo com as definições acima, que a narrativa da obra de Saramago é do tipo romance, pois descreve através de longas ações, sentimentos de personagens fictícios, fazendo um paralelo entre a vida e arte.

Osvaldo – 1º ano A

31 07 2009
Professora Bianca

Daniel,

Muito observador de sua parte: na capa dos EUA a palavra novel está assinalada, não é? Só que há um detalhe: novel em inglês é romance em português. Em inglês importou-se a expressão afrancesada nouvelle para designar novela. Então na capa está escrito, na verdade, que o livro é um romance!

31 07 2009
julianapitta

Primeiro, o conto, esse conto: esse livro não se trata de um conto, pois o conto trata de uma forma narrativa de menor extensão, o que não é o caso desse livro. Depois a novela, segunda novela. Segundo o site “Wikipédia” a definição de uma novela é a seguinte: uma narrativa de extensão média na qual toda a ação acompanha a trajetória de um único personagem e a novela baseia-se num conflito e tudo tende para a conclusão. O gênero novela também não se aplica ao livro, pois a extensão do mesmo não é considerada média e não acompanha apenas um personagem. E por último o E, por último, o romance, também romance. Também segundo o site “Wikipédia”, um romance tem um paralelo de várias ações, personagens podem surgir no meio da história e desaparecer depois de cumprir sua função. Dos três tipos de narração o livro de Saramago mais se aproxima do romance pois, é romance, pois é um livro extenso, possui vários personagens que estão interligados ao conflito central e é dividida em capítulos.
Acredito que “As intermitências da morte” não se trata de um ensaio, pois não é um esboço cientifico científico, ele trata a fundo o tema que escolheu, que no caso seria a morte e não é um texto literário breve.

Juliana Camboim Pitta 1ºE

31 07 2009
Catarina Lustosa

Concordo com a conclusão de algumas pessoas acima em afirmar que a obra de Saramago trata-se de um romance. Na obra há um paralelo entre as ações dos personagens, que levam ao tema central que é a morte. No texto de Saramago, há personagens momentâneos, que ao exercerem a sua determinada função, desaparecem. Isso é uma característica romance.

Catarina Lustosa 1ªA

31 07 2009
nando27118

Lendo a obra de Saramago, pude perceber certa hibridização de gêneros literários (claro, não pensei nisso na hora, mas vendo depois esse fórum e pesquisando, pude chegar a algumas conclusões).
Não podemos especificar um determinado gênero que caracterize tal livro. Por quê ? Simplesmente porque ela conta com características de dois gêneros diferentes. Por conter partes onde o autor expõe críticas e/ou ideias sobre determinado assunto, podemos dizer, sim, porém vagamente, que há uma espécie de ensaio, apesar de ser uma história longa, tal característica é, digamos, marcante dos ensaios. Também podemos dizer que existe um romance, sua obra é extensa, seus personagens apresentam-se diante de fatos relacionados sempre a uma fato principal – as férias da morte- . E esse fator (personagens ligados a um tema prioncipal) nos proporciona definir que é um romance e não uma novela, pois que na novela as personagens aparecem, quase sempre, agindo individualmente, e não é o que acontece na história observada. Vemos que existe uma ação generalizada de toda uma população ao redor da trama. Então podemos dizer que é um Romance-ensaio .

31 07 2009
Fabiana Veloso

A narrativa é um romance, pois a história é bastante longa, ela circunda em torno de um unico único personagem, a morte. A historia história tem um conflito único. Essa narrativa não poderia ser um ensaio pois ensaio, pois a história não está relacionada ao tema.

Fabiana Veloso1°F

31 07 2009
Professora Bianca

Marcela Albuquerque,

Qual a base da sua conclusão de que numa novela é possível acrescentar mais um capítulo? Você pode explicar, por favor?

31 07 2009
Professora Bianca

Carol,

Florzinha, qual é a edição de As intermitências da morte que você tem? O livro é classificado como romance em todas as edições que eu conheço (informação na folha de rosto, logo abaixo do título).

O livro que é classificado como ensaio e logo no título, é Ensaio sobre a cegueira, obra mais que famosa, principalmente após a adaptação ao cinema.

31 07 2009
ulisses batista de oliveira salzano ferraz

As intermitências têm caracteristica característica do romance, por apresentar descrições longas, ela mostra o sentimento dos personagens, há conflitos na história, o que mostra um clímax, que é tipico típico do romance, os personagens estão entrelaçados com a trama, funcionando como elos de ligação.

ulisses 1ano E

31 07 2009
Professora Bianca

Paula Fernanda,

Acho que você e Marcela consultaram o mesmo material, daí a base da conclusão do comentário de Marcela, bastante detalhada no seu.

Para esclarecer mais ainda, se alguém não entendeu, seriam exemplos de novela, segundo o critério da célula dramática, O Senhor dos Anéis, Harry Potter e Crepúsculo. São obras em série, sobre as quais sempre é possível acrescentar elementos novos, continuações, prelúdios (daí os fanfics, principalmente de Harry Potter). No caso do romance, o encerramento em si mesmo não permite estes acréscimos, estas continuações, mesmo nas obras em que há um fim ambíguo, como As intermitências.

Excelente trabalho de pesquisa, Paula!

31 07 2009
Professora Bianca

Taís,

Sua postagem foi superficial. Você precisa desenvolvê-la.

31 07 2009
Professora Bianca

Victoria,

Você precisa desenvolver mais sua argumentação.

31 07 2009
Professora Bianca

Daniel,

Importante você ressaltar que cada obra resguarda sua individualidade. E a maior parte dos críticos não concorda com a classificação de Ensaio sobre a cegueira como ensaio. O nó conceitual que vem, nesse caso de Ensaio, é que ninguém melhor que o próprio artista para definir sua obra. E por mais que a crítica esperneie, está lá o nome ensaio. 😛

São essas coisas que tornam as celeumas literárias às vezes tão divertidas 😀

31 07 2009
Professora Bianca

Priscila,

A informação do CinePop está incorreta. A adaptação é de um conto sim, publicado junto com outros num mesmo volume. Mas este não é o ponto mais importante de nossa discussão, então vamos ao fantástico. 😛

Por isso mesmo que nem todos os filmes (adaptados de romance, conto ou novela) assim como nem todos os livros podem se identificar pela questão da fantasia. Romances históricos, por exemplo, são obras em que realidade e fantasia se misturam às vezes de uma forma que se torna dificílimo para o leigo separar estes elementos. Por esse motivo, o caráter ficcional da narrativa não pode ser um critério decisivo para a sua classificação como romance. Só para citar mais um exemplo, O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, é uma novela recheada de realismo fantástico. A premissa, creio que a maioria conhece, é a de um fenômeno inexplicável: o protagonista permanece jovem e belo enquanto o retrato do título vai se alterando com o tempo e refletindo, também, determinadas ações e decisões de seu correspondente na realidade.

Esta também é uma obra que foi muito adaptada para o cinema, por sinal.

31 07 2009
karllakarimyrodriguesdesouza

O livro é um romance porque existem vários personagens de histórias diferentes, mas todos interligados pelo fato principal , a morte ter deixado de trabalhar, e é uma narração cujo fato é imaginário mais de uma forma aceitável, pois o romance mostra a vida cotidiana familiar e social do homem.
E um romance pode ser verdadeiro (baseado em fatos reais) ou apenas uma ficção. As personagens antagonistas surgem e desaparecem no decorrer dos acontecimentos, como é o caso da maphia e dos ministros, já citado em um comentário a cima.

Karlla Karimy 1 E

31 07 2009
Professora Bianca

Luiz,

Gostasse de ler mesmo? Fico feliz em ler isso! E você não imagina o quanto!

31 07 2009
Paulo Lima

“Ensaio sobre a Cegueira” e “As Intermitências da Morte” são romances. Saramago como Saramago, como exímio narrador e ficcionista consegue ficcionista, consegue um trabalho extremamente longo donde longo, donde se pode concluir que definitivamrnte não é um conto o qual se caracteriza por história curta. Na segunda obra o núcleo, ou melhor, o personagem principal é a morte; tudo gira em torno desse centro de questionamentos incluindo tempo, espaço, outros personagens (sem nome). Não é, por outro lado, um texto literário breve, poético, didático não podendo didaticamente ser considerado um ensaio; entretanto, quando se vê no fundo do questionamento do autor exposições de idéias, reflexões filosóficas, políticas, psicológicas, sociológicas a respeito do tema pode-se nesse sentido, pensar na possibilidade de ser considerado um ensaio.

Paulo Fernando 1º D

31 07 2009
taisst

O livro “Intermitências da morte” por ser longo e difícil não se encaixa nas caracteristicas características de um conto, por conto. Por ter personagens com grau de importância parecidos e por ser menos concentrada não concentrada, não se encaixa nas características da novela. Por possuir uma narração de um fato imaginário que apresenta aspectos de vida familiar e social do homem, por ser divididas em capitulos capítulos, por possuir personagens e situações mais densas e complexas ela ele se encaixa nas características do gênero romance.
Taís Santiago Tavares 1A

31 07 2009
Fernando Lima

A obra de Saramago não é um ensaio, pois a principal característica desse gênero é ser uma breve narrativa, que não é o caso de As Intermitências da Morte.
Ela não pode ser um conto, pois não possui apenas uma história, mas uma história principal com várias outras histórias paralelas durante seu desenvolvimento.
Não é uma novela, pois a obra possui várias ações que acontecem paralelamente, e não ações isoladas.
A obra trata-se de um ROMANCE, pois como pois, como já citei acima, ela é uma narrativa longa, que possui uma história principal com histórias “secundárias” acontecendo paralelamente, e vários personagens envolvidos nestas histórias. Características típicas de um romance.

Fernando Moura Lima 1° E

31 07 2009
Professora Bianca

Larissa,

De onde você retirou a citação, qual a fonte?

31 07 2009
beatriz

Eu acho que é um romance, pois os personagens e os acontecimentos são vários, que se interligam a um conflito central e os personagens antagonistas surgem e desaparecem ao longo dos acontecimentos. Todas essas características são de um romance. Com isso podemos afirmar que o gênero do livro é romance.

31 07 2009
Professora Bianca

Danilo,

Você precisa desenvolver sua argumentação para podermos considerá-la válida.

31 07 2009
Professora Bianca

Melyna,

Desenvolva mais seu comentário.

31 07 2009
Professora Bianca

Eduardo,

Desenvolva mais seu comentário.

31 07 2009
marcela carvalheira

A obra de Saramargo Saramago pode ser caracterizada como um romance. Pois romance, pois esta é uma obra dividida em capítulos, não é uma narrativa curta, não economiza palavras em nenhum momento para explicar algum fato, tem muitos personagens, alguns permanecem ao longo da história e outros são apenas ‘temporários’. Enfim, como observamos, são essas características que vão anulando o conto, a novela, o ensaio… nos deixando apenas o romance!

31 07 2009
Rebeca Fernandes

Respondendo a sua questão 🙂
Na minha concepção, a preocupação de Saramago quanto à psicologia dos personagens, pode personagens pode ser vista no livro como um todo, porém eu imaginei a psicologia não de acordo com os seus defeitos e qualidades, e sim de acordo com o seu papel perante a sociedade, como médico, como a mulher do médico, como o soldado, onde pode ser observado durante todo o livro. Sendo assim, uma preocupação não com a psicologia individualista, e sim mais voltada para a sociedade.
Entretanto, compreendo a sua visão da psicologia, e agora posso observar através de duas vertentes 🙂

Rebeca Fernandes, 1° A

31 07 2009
Daniel Inojosa 1º E

As ”Intermitências da Morte” é do gênero Romance, sem dúvidas. Por que dúvidas, porque possui características como: narração longa e de um fato imaginário que representa aspecto da vida familiar e social do homem, é dividida em capítulos e possui bastante bastantes personagens.

31 07 2009
Professora Bianca

Ileana,

Essa estrutura lógica (apresentação – complicação – clímax – desfecho) é uma estrutura tradicional presenta não apenas no gênero narrativo (seja ele moderno ou a epopéia clássica) como também no gênero dramático. Mas é importante ressaltar que há muitos autores contemporâneos (e alguns nem tanto assim) que gostam de quebrar esta estrutura. Machado de Assis em Memórias Póstumas de Brás Cubas, por exemplo, primeiro conta o desfecho (a doença e morte do narrador-personagem) para depois apresentar suas origens e tal. Principalmente autores que gostam de explorar o monólogo interior e o fluxo de consciência (Clarice Lispector é o exemplo máximo aqui no Brasil) adoram subverter essa tradição

31 07 2009
Professora Bianca

Pedro,

Seu comentário está muito superficial. Você precisa desenvolvê-lo para podermos considerar sua participação válida.

1 08 2009
Professora Bianca

Marina,

Seu post está ótimo. Refletindo desta maneira eu considero que 1984 e A revolução dos bichos (que eu já citei em algum tópico), de George Orwell, são obras mais ensaísticas do que As intermitências, visto que a necessidade de comprovar uma postura ideológica é mais relevante que a narração em si (na minha opinião). Se alguém se propuser a ler um deles, eu indico começar por A revolução do bichos, mais curto e palatável que 1984. E não busquem as versões cinematográficas… são adaptações péssimas.

1 08 2009
Professora Bianca

José Carlos,

Não é possível afirmar que o livro não contém personagens. Essa declaração é incoerente com todo o conteúdo da obra. Não podemos considerar sua participação válida.

1 08 2009
Professora Bianca

Gabriela Calábria,

Você citou que fez a análise de quatro definições, mas apresentou apenas três.
O fato de uma história ser curta não significa que ela não seja profunda nem que sua narrativa não seja trabalhada. Observe o caso do conto Fita verde no cabelo (http://amorecultura.vilabol.uol.com.br/fitaverd.htm), de Guimarães Rosa, e da crônica Mineirinho (http://www.marcelofreixo.com.br/site/?page=noticias&id=770&sectionid=12&catid=24), de Clarice Lispector, considerada por ela mesma sua melhor obra.

1 08 2009
thiagohollanda

Um romance, pois se trata de uma narratoria narrativa longa, dividida em capitulos capítulos os quais são identificados pelos paragráfos que começão começam no meio da página. Além de que possui personagens variados os quais se identificam com a historia história principal e possuem suas historias istórias paralelas além de estarem inseridos em seus proprios próprios tempos e espaços.

1ºD

1 08 2009
Professora Bianca

Bruno Menezes,

Quando há a referência de a trama se passar em um longo período a referência é ao intervalo de tempo em que a ação transcorre, e não à extensão da obra (embora, de uma maneira geral, obras longas tenham a tendência a narrar eventos que se prolongam por bastante tempo ficcional). Daí que há quem classifique como romance as obras que relatam a vivência de gerações de pessoas, vidas de famílias inteiras, formação de lugares, como os romances de Érico Veríssimo que vão tratar da formação do Rio Grande do Sul.

1 08 2009
Professora Bianca

Osvaldo,

Mas uma definição elimina a outra (a definição de romance e a de ensaio) no contexto da obra?

1 08 2009
Professora Bianca

Juliana,

O caráter científico do ensaio não significa, exatamente, que para se fazer um ensaio é preciso empregar metodologia científica empiricamente. Pode-se fazer o ensaio a partir da análise de elementos hipotéticos (o elemento ficcional de realismo fantástico, por exemplo), no caso a hipótese de a morte deixar de ocorrer.

1 08 2009
Professora Bianca

Catarina Lustosa,

Seu comentário precisa de desenvolvimento.

1 08 2009
Professora Bianca

Quem é nando27118?

1 08 2009
Professora Bianca

Fabiana,

Como assim a história não está relacionada ao tema? Como a narração não pode estar relacionada ao seu tema?!

1 08 2009
Professora Bianca

Ulisses,

Seu comentário está superficial, você precisa desenvolver.

1 08 2009
Professora Bianca

Karlla,

Seu comentário não trouxe elementos novos à discussão. Você precisa desenvolver para podermos considerar válido.

1 08 2009
Professora Bianca

Marcela Carvalheira,

A questão de “economizar palavras” é extremamente relativa como critério para um gênero narrativo. O conto, quando surgiu, era um texto muito mais longo do que costuma ser hoje. Há contos de Machado de Assis que são imensos para os padrões contemporâneos. Além disso, economizar palavras não significa que a narrativa é sintética, necessariamente, mas também pode assinalar que a linguagem é mais objetiva o que não poderia se aplicar aos contos de Guimarães Rosa, por exemplo. É um autor que leva a função poética da linguagem na prosa nos níveis mais altos de poeticidade. Confira no conto Desenredo (http://manoelneves.com/2008/02/22/desenredo-de-guimaraes-rosa/). Uma obra prima!

1 08 2009
Professora Bianca

Rebeca Fernandes,

Ok, florzinha, obrigada pelo esclarecimento! 🙂

1 08 2009
Professora Bianca

Daniel Inojosa,

Seu comentário foi superficial.

1 08 2009
Professora Bianca

Thiago Hollanda,

Seu comentário foi superficial.

1 08 2009
Professora Bianca

Taís,

A complexidade de uma narrativa (seu grau de dificuldade) não pode ser firmada como um critério seguro de definição de um texto como conto ou romance. Existem contos de caráter confessional e psicológico que são dificílimos. Clarice Lispector costumava citar que seu conto O ovo e a galinha (quem quiser pode conferir aqui http://claricelispector.blogspot.com/2007/11/o-ovo-e-galinha.html) era um mistério até para ela (e olhe que Clarice é considerada uma escritora extremamente hermética, voltada para si mesma, que não fazia concessões para facilitar seu contato com o leitor).

1 08 2009
Professora Bianca

Fernando Lima,

A sua argumentação não trouxe inovações.

1 08 2009
Professora Bianca

Beatriz,

Sua argumentação não trouxe novas ideias ao tópico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: