Expectativa e ressignificação: as epígrafes

21 05 2009

Embora todo texto literário, do mais conciso poema ao mais longo romance, suporte uma epígrafe, não é todo autor de texto literário que escolhe atribuir uma a sua obra. A epígrafe tem seu espaço determinado quando o autor deseja criar expectativas no leitor a respeito do que vai ler. Nela ele não só faz a citação de alguma passagem de outro texto cuja ideia central, supõe-se, será desenvolvida posteriormente, no seu próprio material, como ele dá uma ideia ao leitor de seu universo de leitura: o que ele já leu, quais suas fonte. Ao fim da leitura, quando voltamos à epígrafe, podemos confirmar a expectativa criada por ela sobre o livro ou ressignificá-la (como fazemos com um título aberto), lendo-a com uma nova interpretação, por uma relação que ela trava com o livro que não estava evidente, num primeiro momento.

Em As intermitências da morte Saramago escolhe criar no leitor esta expectativa, usando duas epígrafes para o texto: a citação do Livro das Previsões e a de Wittgenstein. O primeiro é uma obra inventada, um gosto particular de Saramago, que se repetiu em outras de suas obras: em Ensaio sobre a Cegueira temos o Livro dos Conselhos; em Todos os Nomes, o Livro das Evidências; em Ensaio sobre a Lucidez, o Livro das Vozes; no recentíssimo A viagem do Elefante, o Livro dos Intinerários. O segundo é uma citação do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein.

Debrucem-se, agora, sobre as epígrafes do livro. Que expectativa provocam no leitor? Essa expectativa é confirmada ou não? Qual a significância, qual a relação que têm com o livro? Com que objetivo Saramago inventou a epígrafe do Livro das Previsões e a lançou em As intermitências? Quem foi Wittgenstein, o que ele pensava sobre a condição humana? Que expectativas o leitor que já sabe quem é Wittgenstein tem do livro ao ler sua epígrafe?





Uma desautomatização da leitura

18 05 2009

Um grande desafio de ler Saramago é o processo de desautomatização do processo de leitura que ele desafia o leitor a fazer. Seus parágrafos gigantescos e os períodos mais colossais ainda, em extensão, são um marca registrada do autor, que prefere encadear as ideias em longuíssimas frases complexas pontuadas apenas por vírgula. Até mesmo nos diálogos ele opta por esta forma de escrever.

Se esta marca é tão insistente da obra do autor luso, não está ali por acaso. Saramago pretende um efeito com esta desautomatização, este desafio de fazer o leitor mais ativo na construção do texto. Por isso, o nosso desafio aqui se dá em duas etapas:

  1. Vocês devem escolher uma passagem da obra em que este desafio da linguagem se manifestou e organizar a pontuação como convencionalmente fazemos.
  2. A partir daí, reflita: que efeitos são perdidos com a pontuação convencional? O que a frase longa, pontuada apenas com vírgulas, conseguiu gerar no processo de leitura que a pontuação convencional não consegue?

Não tenham medo de errar! Estamos aqui para debater!





Ensaio, novela, conto, romance?

18 05 2009

As intermitências da morte segue uma tradição da literatura de realismo fantástico inaugurada por Saramago em Ensaio sobre a cegueira. No livro, adaptado para o cinema em 2008 por Fernando Meirelles, o autor se vale do recurso do fantástico — uma inexplicável epidemia de cegueira branca — para tratar da condição humana, do que nos define, o que nos move. No título da obra, Saramago define que seu texto é um “ensaio”. Observe as definições deste gênero textual:

  1. Esboço literário ou científico.
  2. Título de uma obra que o autor não pretende haver tratado a fundo.
  3. Texto literário breve, de caráter menos formal, com estilo situado entre o poético e o didático, o qual expõe ideias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema. O ensaio defende um ponto de vista pessoal e subjetivo, dispensando documentos e provas de caráter científico. Apre­sentação de um assunto filosófico, científico, histórico ou de teoria literária, que se caracteriza pela visão de síntese e tratamento crítico.

A aproximação dos estilos, dos temas e dos enfoques dados a eles que se percebe em As intermitências da morte e Ensaio sobre a cegueira acendem uma forte polêmica sobre a classificação destas obras. Se Saramago escolhe designar uma delas como ensaio, isso faz dela (e consequentemente também da outra) um? A que gênero narrativo moderno pertence As intermitências da morte? Conto, novela ou romance?

Estas são as nossas primeira reflexões. Busquem definições dos três gêneros e confrontem as características de um ensaio às características da narração de As intermitências da morte. Que tipo de narração Saramago propôs em seu livro?





Terra Papagali – Atividade complementar

4 04 2009

Senhoritos e senhoritas,

Àqueles alunos que não participaram da atividade avaliativa em nosso fórum de discussão sobre Terra Papagalli daremos uma segunda oportunidade avaliativa para a obtenção da pontuação respectiva. Para cumpri-la, leiam com atenção as instruções abaixo.

Atividade: produção de um fanfic

O que é? Um fanfic é um texto produzido por um leitor (ou espectador) que dá continuidade ao universo temático criado em uma obra. Os fanfics geralmente são feitos por fãs de obra de muita repercussão, como Harry Potter, Crepúsculo e O senhor dos anéis, para citar algumas das mais recentes. Neles os leitores se aventuram a alargar o universo da série, seja contando a mesma história, mas pelo ponto de vista de um outro personagem (um Lua Nova contado por Jacob, ou um Harry Potter e a Ordem da Fênix contado por Herminone, por exemplo), seja criando outras aventuras, outros episódios para a obra.

Como deve ser o meu fanfic? Para a nossa atividade, os fanfics de vocês devem dar continuidade à narrativa de Terra Papagalli de onde ela parou. Vocês deverão contar a recepção da carta de Cosme Fernandes por Vasco Brandão, o Conde de Ouriques, e o que aconteceu depois deste evento. O que Vasco Brandão fez? Como ele é? Como rege à notícia de onde e como está sua mãe? Qual o impacto do relato de Cosme Fernandes para ele? Usem indagações como estas e façam outras e soltem a imaginação!

Que formato devo dar ao meu fanfic? Os fanfics deverão atender à seguinte formatação:

  • Fonte: Times New Roman 12
  • Espaçamento: simples
  • Número de páginas: 10
  • Margem das páginas: 2,0 cm (cada margem)
  • Alinhamento: justificado
  • Recuo de parágrafo: 1,5cm
  • Identificação: título e nome do autor

Prazo e forma de entrega: Os fanfics deverão ser entregues para correção até o dia 22/04. O autor deverá entregar uma cópia impressa e enviar uma cópia do arquivo por email. A correção será efetuada no arquivo digitalizado e anexada à cópia impressa.

Critérios de correção/pontuação: Os textos serão corrigidos observando-se os seguintes elementos:

  1. originalidade;
  2. criatividade;
  3. coerência com o universo estabelecido na obra;
  4. coerência com o contexto históric;
  5. coerência com a linguagem usada por Torero e Pimenta.

Qualquer dúvida sobre a atividade, procurem a profª Bianca.

Bom trabalho!





Concurso Ilustrativo – Cosme Fernandes

2 04 2009

digitalizar0002

 

Cosme Fernandes, na gravura feita por José Carlos, 1º C





Concurso Ilustrativo – Caoru

1 04 2009
Caoru

Caoru

Este é Caoru, por Stefan, 1º D.

Excelente participação Stefan!





Nova leitura – As intermitências da morte

30 03 2009

Atenção senhoritos e senhoritas,

Com a conclusão das atividades relativas à leitura de Terra Papagalli, solicitamos que vocês iniciem a nova leitura a ser trabalhada em nossas atividades. O livro da vez é “As intermitências da morte” , de José Saramago. Partido da fantástica situação de a morte, simplesmente, deixar de existir em um determinado país sem nome, num tempo que não se sabe qual é, Saramago discute no livro profundas questões humanas. Se na vida que a gente leva aqui, na Terra, a nossa única certeza é a morte, o que será de nossa existência, se nem esse referencial tivermos?

Comecem a ler e aguardem instruções!

Beijinhos!